WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
adriana calcados camara vitoria da conquista
Geral

179 anos: as homenagens neste sábado (09) vão para Vitória da Conquista

A terceira maior cidade da Bahia, com população ultrapassando os 338 mil habitantes, Vitória da Conquista recebe todas as merecidas homenagens neste sábado, 09, pelos seus 179 anos de emancipação política.

É a capital regional de uma área que abrange aproximadamente oitenta municípios na Bahia e dezesseis no norte de Minas Gerais. Tem uma altitude média de 923 metros nas escadarias da Igreja Matriz, atingindo os 1.100 metros nas partes mais altas. Possui uma área de 3.204,257 km².

O território onde hoje está localizado o Município de Vitória da Conquista foi habitado pelos povos indígenas Mongoiós, subgrupo Camacãs, Ymborés (ou Aimorés) e em menor escala os Pataxós. Os aldeamentos se espalhavam por uma extensa faixa, conhecida como Sertão da Ressaca, que vai das margens do alto Rio Pardo até o médio Rio das Contas.

Os índios mongoiós (ou Kamakan), aimorés e pataxós pertenciam ao mesmo tronco: Macro-Jê. Cada um deles tinha sua língua e seus ritos religiosos. Os mongoiós costumavam fixar-se numa determinada área, enquanto os outros dois povos circulavam mais ao longo do ano.

Os aimorés, também conhecidos como Botocudos, tinham pele morena e o hábito de usarem um botoque de madeira nas orelhas e lábios – daí o nome Botocudo. Gostavam de pintar o corpo com extratos de urucum e jenipapo. Eram guerreiros temidos, viviam da caça e da pesca e dividiam o trabalho de acordo com o gênero, cabendo às mulheres o cuidado com os alimentos. Os homens ficavam responsáveis pela caça, pesca e a fabricação dos utensílios a serem utilizados nas guerras.

Já os pataxós não apresentavam grande porte físico. Fala-se de suas caras largas e feições grosseiras. Não pintavam os corpos. A caça era uma de suas principais atividades. Também praticavam a agricultura. Há pouca informação a respeito dos Pataxós.

Aimorés, Pataxós e Mongoiós travaram várias lutas entre si pela ocupação do território. O sentido dessas lutas, porém, não estava ligado à questão da propriedade da terra, mas à sobrevivência, já que a área dominada era garantia de alimento para a comunidade.

Comércio: O comércio é forte e dinâmico, contando com grande número de empresas como no ramo atacadista com a presença de grandes grupos. Possui dois grandes shoppings centers, o Shopping Conquista Sul, inaugurado em 2006 e localizado na Zona Sul e o Boulevard Shopping inaugurado em 2018, na Zona Leste; além de vários conjuntos comerciais, com lojas e salas de escritórios. O pujante comércio abrange todo o centro-sul da Bahia além do norte de Minas Gerais, influenciando uma população aproximada de 2 milhões de pessoas, o que coloca a cidade entre os cem maiores centros urbanos do país. Destacam-se setores da economia como o moveleiro, considerado o maior polo desta natureza no estado. Na indústria destacam-se o Grupo Marinho de Andrade (Teiú e Revani), Solar Coca-Cola, Tia Sônia, Ambev, Maratá, Umbro, Kappa, BahiaFarma, Café Maratá, ZAB e Grupo Dass.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Vit%C3%B3ria_da_Conquista

Conquista 179 anos: cidade para pessoas é a marca das ações de infraestrutura urbana

Neste ano, a Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista realizou uma série de ações de infraestrutura em toda a cidade. A Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinfra) tem atuado de forma constante no planejamento, realização e fiscalização das obras públicas, de modo a oferecer uma estrutura urbana de qualidade à população.

Parques, praças, jardins públicos estão sendo construídos ou revitalizados com o objetivo de dar uma identidade visual e paisagística à cidade. Além disso, a Prefeitura também tem trabalhado junto à preservação do ambiente natural e realizado estudos e projetos de alterações e atualizações do Plano Diretor Urbano.

Praça Norberto Aurich

Para o secretário de infraestrutura, José Antônio Vieira, um dos principais legados da pasta para este ano foi a elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU). “O Plano Diretor Urbano é algo imprescindível para a ordenação e desenvolvimento de uma cidade. Problemas oriundos do crescimento populacional, por exemplo, poderão ser sanados através do PDDU.”

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Plano Municipal de Saneamento Básico – elaborado pela Fundação Escola Politécnica (FEP), da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o PDDU é um instrumento da política urbana instituído pela Constituição Federal de 1988. É através dele que os municípios têm a responsabilidade de concretizar a função social da propriedade e ainda delimitar e fiscalizar as áreas subutilizadas.

Em Conquista, o PDDU conta com a participação e o envolvimento da sociedade civil em sua construção. Para isso, são constituídos grupos de trabalho e disponibilizados formulários no próprio site da prefeitura. O principal foco da discussão é o planejamento estratégico da cidade voltado para o futuro, dentro de uma política de desenvolvimento e de expansão urbana.

Em 2019, também foi lançado o Plano de Saneamento Básico, que compreende ações de melhoria na coleta dos resíduos sólidos, água, esgoto e drenagem pluvial. Feito de forma concomitante ao PDDU, o plano elenca quatro pontos essenciais: o sistema de água tratada, o esgotamento sanitário, os resíduos sólidos (lixo) e a drenagem urbana.

Parque Ambiental e Revitalização do Rio Verruga – Outro grande projeto de relevância paisagística, ambiental e cultural é a revitalização do principal corpo hídrico da cidade: O Rio Verruga. Para isso, a equipe de profissionais da Lerner Arquitetos Associados visitou Conquista em maio deste ano para aprofundar o diagnóstico.

Vitória da Conquista será a primeira cidade do nordeste a receber um projeto urbanístico-ambiental do arquiteto e ex-prefeito de Curitiba, Jaime Lerner. A criação do Parque Ambiental também produzirá um ambiente de interação da população com a natureza, promovendo lazer e cultura para a cidade.

Outras obras importantes obras feitas na zona urbana e rural – Em março, foi entregue a cobertura das galerias de águas pluviais no trecho voltado para a Rua Joaquim Nabuco, no Ceasa. Em agosto, foi a vez da Praça Norberto Aurich, no lado oeste da cidade, ser também inaugurada. Também em agosto, uma das mais antigas e históricas Praças da cidade, a Vitor Brito, foi totalmente revitalizada.

Outras obras que chamam a atenção da população foram os calçadões e vias projetados especialmente para o tráfego de pedestres: A criação das Travessas Ilza Matos e Dom Celso José (em frente à Catedral) e revitalização do canteiro central da Avenida Olívia Flores.

Segundo o secretário José Antônio, o pensamento do governo municipal é o de tornar a cidade cada vez mais acessível. “Um dos pedidos do prefeito, desde o início da nossa gestão, foi o de construir uma cidade voltada para pessoas. Dessa forma, buscamos planejar a cidade e adequá-la ao novo plano diretor, sempre no intuito de melhorar a vida da população em todos os aspectos possíveis”, ressalta.

Fonte: Ascom/PMVC

Etiquetas

Artigos relacionados

Fechar