WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
adriana calcados camara vitoria da conquistanatal cdl
Geral

Conquista: Segundo polícia, ordem para matar Hiago saiu de dentro do presídio

Por Gabriela Couto – A Polícia Civil de Vitória da Conquista, pela Delegacia de Homicídios e nas pessoas dos delegados Marcos Vinicius de Moraes e Fabiano Aurich, responsáveis pelas investigações da morte do jovem Hiago Evangelista, que ocorreu na última quarta-feira, 6 , concederam uma coletiva à imprensa de Vitória da Conquista na tarde desta quinta-feira, 14, para esclarecer os novos fotos sobre a investigação desse crime.

Apesar do inquérito estar na sua fase final e o mesmo será concluído na segunda-feira, os delegados decidiram realizar essa coletiva para elucidar questões que estão sendo divulgadas sobre as investigações e não condizem com a realidade, como por exemplo, a notícia de que na verdade Hiago teria sido morto por uma dívida com o tráfico de drogas. De acordo, o delegado Marcos Vinícius, essa foi uma estratégia usadas pelos assassinos para desviar o curso das investigações, “aprofundando as investigações nós vimos que realmente não tinha nada a ver a situação da vítima morrer por conta do tráfico, mas sim, por conta das investigações, a vítima teria começado a tentar um envolvimento com uma mulher que tem o seu companheiro preso no Conjunto Penal. A partir do momento que esse preso soube disso ele determinou a morte e a subtração dos bens da vítima.”, afirmou.

Tanto a companheira do presidiário, quanto o próprio mandante, que é membro de uma facção criminosa, já foram identificados e nos próximos dias serão ouvido pela polícia. A polícia também já identificou o intermediário do crime, de nome Micael, que atualmente é foragido da Polícia e já tem mandados de prisão abertos contra ele, por homicídio, e foi ele quem fez o contato com Rodrigo, que já é seu parceiro e amigo de crimes anteriores, para que o mesmo executasse a vítima e o fizesse sofrer, que foi um pedido do mandante do crime.

A Polícia também não descarta a possibilidade de ter acontecido o contrário, a moça ter dado em cima de Hiago, ele ter recusado e ela ter decidido se vingar. Segundo a Polícia, Hiago sabia que a garota tinha envolvimento com uma pessoa do tráfico de drogas, pois ele tinha o costume de levar essa jovem para o presídio com uma certa regularidade. Esclarecendo também que a corrida que culminou com a morte da vítima não foi feita por nenhum aplicativo de transporte, e sim, por um chamado pessoal ao celular dele, ele tinha o costume, de como bem informou o delegado Marcos Vinícius, que vários motoristas de aplicativo fazem essa ação, de dar o seu celular para que o usuário quando precisar de uma corrida se dirija diretamente ao motorista. Era o que Hiago já fazia no seu dia-a-dia, tanto que foi assim que ele conheceu essa garota, e foi assim também no dia do crime.

Rodrigo, um dos acusados, também fez amizade no aplicativo de mensagens Facebook com a vítima na semana do crime para poder saber um pouco mais sobre ele.

Sobre as mutilações ao corpo de Hiago, o delegado afirmou que o orgão genital da vítima foi preservado, mas que a intenção inicial era que se fosse arrancado, mas eles desistiram na hora. Já a perna, que os boatos diziam que teria sido tirada pelos acusados do assassinato, de acordo as investigações, na verdade, ele não foi mutilado, mas sim, como o corpo dele foi carbonizado até a altura dos joelhos, algum animal deve ter puxado a parte intacta, que já havia perdido toda parte da pele, que já estava fragilizada.

ENTENDA O CASO

Hiago Evangelista Freitas, estudante de Odontologia, de 24 anos, desapareceu na última quarta-feira, 6, após deixar sua namorada em casa, e iniciar corridas pelos aplicativos de transportes. O corpo da vítima foi encontrado parcialmente carbonizado na sexta-feira, 8. E logo a Polícia através das investigações conseguiu prender os jovens Alexandre Cruz, de 21 anos e Rodrigo Porto de 22 anos, que confessaram o crime.

Logo no início eles informaram ao delegado Fabiano Aurich que era um assalto, feito com uma arma falsa e que eles tinham matado a vítima por medo de serem denunciados. Os acusados foram achados com a ajuda do cão farejador, que levou a Polícia até a casa deles onde foram encontrados todos os indícios, objetos pessoais da vítima, incluindo documentos, cartões de banco, a chave do carro que Hiago dirigia e o celular dele. Os dois iram ser autuados em flagrante por latrocínio, que é o roubo seguido de morte, e por ocultação de cadáver, mas com esse novo dado o Ministério Público irá decidir quais serão as autuações. Além disso, Rodrigo também responderá por associação ao tráfico de drogas, adulteração de sinal identificador e posse ilegal de munição, por outros materiais encontrados na casa dele.

O corpo da vítima foi enterrado no cemitério municipal de Guanambi, cidade natal do jovem que fica a cerca de 276 km de Vitória da Conquista, no sábado, 9.

Etiquetas

Artigos relacionados

Fechar