WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Geral

Fernanda Takai participa de Projeto Literário do Educandário Padre Gilberto

No próximo dia 06, Fernanda Takai desembarca em Vitória da Conquista para participar do Projeto Literário “Entre Histórias e Memórias”, do Educandário Padre Gilberto. A cantora, compositora e cronista participa da mesa temática “Literatura, Arte e Educação”, a partir das 14h30, no Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima, com entrada gratuita.

Takai tornou-se referência na Literatura Infantil nos últimos anos, depois de ter lançado quatro livros: Nunca Subestime uma Mulherzinha (2007), A Mulher que não Queria Acreditar (2011), A Gueixa e o Panda Vermelho (2013) e O Cabelo da Menina (2016). Por este último, ganhou em 2017 o Prêmio Jabuti, principal reconhecimento da Literatura Brasileira.

Vocalista da banda mineira Pato Fu há 25 anos, há 10 lançou-se numa carreira solo com repercussão nacional e internacional, chegando a gravar um CD de inéditas com o guitarrista Andy Summers (The Police) em 2012. Ao todo, lançou 18 álbuns e 7 DVDs, conquistando 4 Discos de Ouro e diversos prêmios como Grammy Latino, MTV Brasil, Multishow, Revista Bravo!, Prêmio da Música Brasileira, entre outros.

 “Entre Histórias e Memórias” e os 50 anos do Educandário Padre Gilberto

Este ano o Projeto Literário integra a celebração do cinquentenário da instituição, que contará ainda com exposições, apresentações de música, teatro, dança, moda e circo.

A programação no Centro de Cultura tem início no dia 4, às 19h, com a inauguração do memorial “História em construção, memória em exposição” e a apresentação do espetáculo “50 anos em cena – A história do Educandário Padre Gilberto”. Já no dia 8, haverá o Reencontro de Egressos, às 19h, no espaço Mediterrâneo.

Confira a programação completa no hotsite: http://www.padregilberto.com.br/50anos.

De acordo com a coordenadora pedagógica Maisa Andrade, a escolha do tema “Entre Histórias e Memórias” passa por uma construção identitária. “Nós elegemos o que chamamos de uma transversalidade curricular que possa construir competências e habilidades. Neste ano em que a escola comemora o seu cinquentenário, nada melhor do que mergulhar num processo de estudo, investigação e descobertas das nossas histórias, que nos constitui enquanto indivíduos e nos identificam como coletividades”, explica.

“O percurso para essa realização é via memória:  memórias individuais e memórias coletivas presentes na história da humanidade. O tema nos faz revisitar a nossa própria história para entender e se entender parte de uma comunidade”, conclui a coordenadora.

Fonte: Ascom

texto: Ana Paula Marques

Foto: Weber Pádua

Etiquetas

Artigos relacionados

Fechar