Rui Costa, do PT, é reeleito governador da Bahia

Rui Costa, do PT, é reeleito governador da Bahia
08 outubro 08:45 2018 Imprimir

Rui Costa, do PT, foi reeleito em primeiro turno, neste domingo (7), governador do estado da Bahia para os próximos quatro anos.

Com 99,43% das urnas apuradas, o petista tinha 5.061.957 votos, o que correspondia a 75,45% dos votos válidos. O segundo colocado, Zé Ronaldo (DEM), tinha 1.496.482 votos, ou 22,30% dos votos válidos. “Quero dedicar essa vitória a Deus, ao povo da Bahia e a minha mãe e a meu pai, onde eles estiverem. Essa Vitória é pra vocês dois, que formaram todos os meus valores para eu chegar aqui. Sei que vocês estão orgulhosos de ver alguém que nasceu na favela chegar até aqui e receber esse carinho da Bahia”, disse o governador logo após chegar para comemoração no bairro do Rio Vermelho, em Salvador.

A reeleição faz com que Costa, eleito pela primeira vez para o governo do estado em 2014, na eleição para a sucessão do também petista Jaques Wagner (que governou também por dois mandatos), permaneça no cargo até 2022. Com isso, o PT se consolida no comando do executivo estadual por 16 anos consecutivos.

Rui Costa dos Santos, de 55 anos, nasceu no bairro da Liberdade, em Salvador, no dia 18 de janeiro de 1963. O pai, Clóvis dos Santos, era metalúrgico, enquanto a mãe, a dona de casa Maria Luzia, ajudava a pagar as contas vendendo doces e fazendo faxina. Rui foi o segundo filho do casal.

A vida política começou no Polo Petroquímico de Camaçari, região metropolitana de Salvador, na década de 1980, quando, após entrar para o sindicato dos trabalhadores, passou a frequentar assembleias e a criticar as condições de trabalho da fábrica. Em 1982, se filiou ao Partido dos Trabalhadores — foi um dos primeiros integrantes do PT e uma das principais lideranças responsáveis pela organização do diretório do partido na Bahia.

Após concluir o curso de instrumentação da Escola Técnica Federal (atual IFBA), ingressou no curso de ciências sociais da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 1983, influenciado pela efervescência do movimento sindical no Brasil, mas não se graduou, porque os horários de estudo se chocavam com os de trabalho. Anos depois, em 1993, decidiu retomar os estudos e mudar de curso. Ingressar em economia, também pela UFBA, área em que hoje é formado.

Em 1995, perdeu a mãe, que havia sido diagnosticada com câncer de mama. Dois anos depois, viveu um momento de alegria, quando nasceu o seu segundo filho, Caio — a primeira filha, Aline, nasceu em 1986.

Em 2000, foi suplente de vereador na capital baiana e, em 2004, foi eleito vereador da cidade com o maior número de votos da bancada petista. Sete anos depois, em janeiro de 2007, foi convidado pelo então governador da Bahia, Jaques Wagner, Rui assumiu a Secretaria de Relações Institucionais (Serin).

Em 2010, se elegeu como o deputado federal mais votado do PT Bahia (e em 3º lugar no estado, entre todos os candidatos eleitos), com 212.157 votos. Em 2012, se licenciou do cargo de deputado e assumiu a chefia da Casa Civil do estado, no segundo mandato de Jaques Wagner como governador.

No mesmo ano, Rui se casou com Aline Peixoto, atual primeira-dama da Bahia, com quem tem duas filhas, Marina e Malu. Em 2014, ele se elegeu governador do Estado da Bahia com 3,5 milhões de votos.

Reeleito governador da Bahia, Rui Costa faz comemoração no bairro do Rio Vermelho, em Salvador — Foto: Itana Alencar/G1

Reeleito governador da Bahia, Rui Costa faz comemoração no bairro do Rio Vermelho, em Salvador — Foto: Itana Alencar/G1

Campanha

Durante a campanha, iniciada no dia 16 de agosto, quando passou a ser permitida a realização de propaganda eleitoral, como comícios, carreatas, distribuição de material gráfico e propaganda na internet, Rui passou por 144 dos 417 municípios do estado, segundo a assessoria dele.

A campanha foi encerrada no sábado (8), quando esteve junto com o candidato à presidência Fernando Haddad em Feira de Santana, segundo maior cidade do estado, a 100 km da capital.

O petista foi muito criticado durante a campanha por seus adversários por conta, entre outros pontos, da política de segurança pública, em decorrência dos índices de violência no estado, da saúde, sobretudo por causa da fila para vagas na central da regulação, e da educação, sobretudo depois de o MEC (Ministério da Educação) divulgar que o ensino médio do estado ficou em último lugar no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Apesar das críticas, Rui apareceu liderando todas as pesquisas de intenção de voto divulgadas pelo Ibope. No levantamento feito um dia antes das eleições, por exemplo, Rui apareceu com 77% dos votos válidos.

Ainda durante a campanha, Rui culpou a crise e a falta de apoio federal por promessas do primeiro mandato não cumpridas e prometeu, entre outras coisas, ampliar o contingente da polícia no estado, construir 600 quadras esportivas, laboratórios e biblioteca, para viabilizar o ensino integral nas escolas, expandir para todas as instituições de ensino os cursos profissionalizantes, pra reduzir o desemprego, e avançar na regionalização da saúde, construindo hospitais e serviços de alta complexidade no interior do estado.

Apuração na Bahia

Atualização em 21h20 com 86% das urnas apuradas

Rui Costa (PT): 75,71% (4.370.082 votos)
Zé Ronaldo (DEM): 21, 99% (1.269.197 votos)
Marcos Mendes (PSOL): 0,69% (39.626 votos)
João Henrique (PRTB): 0,59% (33.991 votos)
João Santana (MDB): 0,50% (29.009 votos)
Célia Sacramento (Rede): 0,48% (27.631 votos)
Orlando Andrade (PCo): 0,05% (2.609 votos)

Fonte: G1 Bahia



Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda...

Seja o primeiro a comentar!.

Publique seu comentário

Your data will be safe! Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.
All fields are required.